Pesquisar no Blog

“Acautelai-vos dos falsos profetas, que se vos apresentam disfarçados em ovelhas, mas por dentro são lobos roubadores.” (Mt 7.15).


Pesquisas mostram que muitos profissionais e executivos cristãos estão abandonando as igrejas. Essa tendência crescente tanto preocupa quanto empolga os líderes religiosos. Se por um lado, acredita-se que isso pode ameaçar a pregação do Evangelho, por outro, pensa-se ser o tipo de reavivamento esperado pela igreja à séculos.

Tradicionalismo religioso, legalismo farisaico, pastor como sacerdote, pedágio salvífico, sermões vociferados, falso falar em línguas, ilusionismo barato, prática do “cai-cai”, mentalidade do “Abençoe-me”, idolatria a pregadores, comércio de bênçãos, culto a objetos e relíquias, curandeirismo espírita e outras aberrações anti-bíblicas, têm levado muitos cristãos sinceros a abandonarem a igreja porque precisam de mais alimento espiritual, algo que a maioria das igrejas não está oferecendo (Mt 7.21-23; 2Tm 4.3; 2Pd 2.1—3).

Muitos executivos - escandalizados, descriminados ou explorados em suas igrejas - sentem que Deus quer ministrar por meio de seu trabalho, fazem o que Deus colocou em seu coração fazer. Eles estão aplicando o conceito hebraico de avodah ao unir os dois significados do termo: trabalho e adoração. Pensam como Fred Smith, um executivo cristão norte-americano: “Meu trabalho é minha adoração”.1

Nem todos que evitam a igreja abandonaram sua fé em Cristo ou perderam o desejo de servir a Deus. Muitos deles se filiam a “comunidades alternativas de fé” ou as “novas formas criativas de igreja”, tais como: igrejas domésticas, igrejas corporativas, igrejas online, igrejas células etc.. Investem seus dízimos e ofertas em ministérios “paradenominacionais”, em “missões” ou em “agências missionárias próprias”, tomando as decisões quanto à forma pela qual seu dinheiro deve ser gasto na pregação do Evangelho.

Não creio que as novas formas de igreja substituirão em definitivo a forma de igreja tradicional típica que conhecemos. Ir a igreja aos domingos prestar um culto racional de adoração ao Senhor, ouvir a Palavra de Deus e ter comunhão com os santos, ainda é algo que atrai a maioria dos cristãos, inclusive eu.

Mas de segunda à sexta-feira, o meu trabalho é meu ministério e minha adoração ao Senhor. AVODAH!

1.Laura Nash. Believers in Business, p.64, citado por Peter Wagner em Os cristãos no ambiente de trabalho. Ed. Vida, 2007, p. 137.

Related Posts with Thumbnails